segunda-feira, 10 de maio de 2010

De onde vem as histórias de Manoel Carlos....


Um dia qualquer, em um café qualquer, lendo um livro qualquer, e bebendo um excelente capuccino. Me vi em mais uma das curiosas situações da vida moderna. (como este assunto tem ficado recorrente, já percebeu? ). O livro que eu lia falava das aventuras de uma solteira no auge de seus quarenta anos, em uma metrópole. Foi em um daqueles dias que agente some do mapa, sabe? Compra uma passagem para um destino muito exótico (segredo rsrsrrs) apenas seus pais e seu melhor amigo sabem onde você está. Eu fugia para outra realidade. Neste café de grande movimento, encontravam-se os mais variados estereótipos de seres humanos.


Em uma mesa sozinho, com seu leptop, encontrava-se o executivo estressado, louco com seus quatro celulares, que não paravam de tocar. Um pouco mais adiante uma típica perua, com um mega salto alto ela desfilava no ambiente como se estivesse numa passarela. Ostentava, roupas e bolsa de marcas famosas, além de um cachorrinho (muito fofo, por sinal). Voltando um pouco, lá estava eu, euzinho, bebericando minha bebida quente e salutar, que teimava em queimar minha língua. Diante do espetáculo que eu participava ainda avaliei “Legal, estava com saudade de fazer companhia a mim mesmo, sabe? Ser um pouco narcisista e cuidar só da minha vida”, maldito pensamento...


As portas do café são abertas por um casal, um belo exemplar por sinal. Pensei comigo “Meu, gente bonita e românticos, coisa rara. No mínimo ele ronca e ela tem joanete” afinal todos tem defeitos! Ao chegarem ao balcão e fazerem seu pedido, um homem, um velho conhecido nosso por sinal hehehe era o executivo acima citado, ele se levanta se aproxima do casal e questiona o outro homem.


- MAURICIO?????


- Grande Henrique, como vai?


- Querida, você lembra do Henrique?


- Não, responde ela de modo seco.


- O Henrique é o visinho do apartamento da frente, você que sempre reclamava que o vizinho era um desconhecido que moramos perto há anos mas nunca cruzamos se quer no elevador pois bem, diz o marido satisfeito em poder apresentá-los.


A esposa fica um pouco sem graça mas entra na onda do marido e finge um interesse. Meu sexto sentido nessa hora disparou e foi a mil, na hora algo me dizia que naquela dose de Frangélico tinha umas gotinhas de licor vagabundo, numa livre comparação rsrsrsrs. Pois bem fiz o interessado no meu livro e estiquei bem as orelhas.


Era ti ti, ti ti, ti ti, vamos dar um jantar em homenagem, ah que maravilha e tal e tal. O papo rolava aí o marido pede licença e vai ao banheiro.


Ahhhhhhhhhhhh, agora eu fui a luaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!


Ela olha furiosa para o visinho que acabou de conhecer e dispara...


- E o nosso acordo? Agora só falta vocês quererem ir para o futebol juntos, faça me o favor!!!!


Devo dizer que neste momento eu me encontrava quase precisando de uma ambulância, pois me afoguei com o café, foi muita emoção para um curto espaço de tempo. Tentava me recompor para voltar a acompanhar os desmandes desse casal de amantes, com uma história digna de cinema, mas meu jeito estabanado de ser falou mais alto. Resolvi ir até o banheiro me recompor, e dou de cara com o marido traído, pelo vizinho, quase desconhecido, ele estava ao telefone e dizia assim: “Amor, é uma viagem de negócios, logo, logo estarei com você”. Gente???


O que foi isso? Alguém me jogou em uma novela do Manoel Carlos e não me avisou? Foi isso? só pode...


Pra fim de conversa o corno-traidor, voltou pra mesa pegou sua esposa-pegadora de visinho desconhecido e saíram na maior “Phynesa” para o portão de embarque, o homem continuou com seus celulares e eu fui chocado pegar meu vôo.

Um comentário:

  1. Imagino as bochechas coradas pela situação mais que excitante kkkkkk

    ResponderExcluir